Memórias póstumas de Brás Cubas

Calcule o valor e prazo do frete

    Sinopse

    Características

    “Uma sondagem da alma, uma subjetividade expandida e maluca, como se a mente volúvel e delirante não pudesse sair de um redemoinho.” Assim se refere o escritor Milton Hatoum a Memórias póstumas de Brás Cubas no posfácio escrito especialmente para a edição da obra-prima de Machado de Assis (1839-1908) preparada pela CARAMBAIA. Com essas palavras, Hatoum traduz o impacto desconcertante que o romance mantém desde que foi publicado, em 1881. A literatura brasileira nunca produzira nada semelhante, e com Memórias póstumas o autor passou de escritor acima da média a gênio – e maior nome da literatura brasileira – reconhecido em seu próprio tempo.

    Feita para ler, reler e guardar, a edição da CARAMBAIA tem como base a quarta publicação do texto, revista pelo autor, e projeto gráfico de Tereza Bettinardi, inspirado na arquitetura de túmulos e cemitérios, uma vez que Brás Cubas se define não como um autor defunto, mas “um defunto autor”. As inscrições e ornamentos tumulares da época da publicação do romance serviram de diretriz estética para o projeto e para as gravuras de Heloisa Etelvina, feitas em linóleo e impressas manualmente.

    A CARAMBAIA está lançando o livro em duas edições. Ambas são ilustradas, têm capa dura e vêm envoltas em uma cinta. A edição especial sai com tiragem de apenas 100 exemplares, capa revestida em tecido e acabamento em serigrafia, e é acompanhada de quatro gravuras impressas em tipografia manual. Três delas são obras exclusivas de Heloisa Etelvina e a quarta reproduz a célebre dedicatória do romance machadiano: “Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas Memórias póstumas”.

    Em seu posfácio, Milton Hatoum revisita a inesgotável riqueza dessa obra que Machado publicou – de início em forma de folhetim na imprensa – com pouco mais de 40 anos de idade e que, vista em retrospecto, irradia influência por toda a história da literatura brasileira. Como é praticamente consensual entre os historiadores e críticos, em Memórias póstumas de Brás Cubas se encontra a pedra inaugural do romance realista no Brasil. Para alguns especialistas, seria também a primeira narrativa fantástica da literatura nacional. E não há como negar, além disso, os vestígios de romantismo da obra anterior de Machado e principalmente as antecipações do modernismo em sua estrutura fragmentária, ao mesmo tempo calculada e heterogênea, onde cabe até um capítulo feito apenas de nomes e sinais de pontuação. A ruptura da linearidade temporal é operada por um narrador irreverente que lança mão de todo tipo de recurso: citações, jogos de palavras, associações de ideias, diálogos consigo mesmo e diretamente com o leitor.

    Essa estrutura dinâmica e impregnada de humor, escrita “com a pena da galhofa e a tinta da melancolia”, serve com perfeição a um implacável retrato da elite brasileira escravista do Segundo Império, da qual Brás Cubas é um genuíno representante em seus esforços para viver de renda, herança e um mandato na política e, ao fim da vida, concluir satisfeito que “não pagou o pão com o suor do rosto”. Em torno das aventuras do narrador arrogante e mordaz, que incluem casos amorosos fugazes e mais ou menos descompromissados, orbitam personagens de classe média baixa, figurões do Império, escravos cativos e alforriados e um mendigo filósofo, Quincas Borba, que nos apresenta um pastiche de ideias de seu tempo e serve a Machado para zombar ceticamente do cientificismo de sua época.

    Escrito com rara concisão e ressonância universal, Memórias póstumas vem sendo, com atraso, incluído em listas internacionais das grandes obras literárias de todos os tempos. Para a ensaísta norte-americana Susan Sontag, é “um dos livros mais divertidamente não provincianos já escritos” e Machado é o “maior autor já produzido na América Latina”. O crítico Harold Bloom considera-o “o supremo artista literário negro”. E Woody Allen coloca o romance entre seus favoritos.
    *
    Com Memórias póstumas de Brás Cubas, a CARAMBAIA relança a edição de outra obra-prima de Machado, Dom Casmurro, que estava esgotada. Agora, o livro sai na coleção Acervo, a preços mais acessíveis e novo formato. Diferentemente dos livros do catálogo tradicional da CARAMBAIA, que saem com apenas 1.000 cópias, todas numeradas a mão, os títulos da coleção Acervo têm tiragens iniciais de 3.000 exemplares cada.

    Posfácio: Milton Hatoum
    Projeto gráfico: Tereza Bettinardi

    Home

    Sinopse1“Uma sondagem da alma, uma subjetividade expandida e maluca, como se a mente volúvel e delirante não pudesse sair de um redemoinho.” Assim se refere o escritor Milton Hatoum a Memórias póstumas de Brás Cubas no posfácio escrito especialmente para a edição da obra-prima de Machado de Assis (1839-1908) preparada pela CARAMBAIA. Com essas palavras, Hatoum traduz o impacto desconcertante que o romance mantém desde que foi publicado, em 1881. A literatura brasileira nunca produzira nada semelhante, e com Memórias póstumas o autor passou de escritor acima da média a gênio – e maior nome da literatura brasileira – reconhecido em seu próprio tempo.

    Feita para ler, reler e guardar, a edição da CARAMBAIA tem como base a quarta publicação do texto, revista pelo autor, e projeto gráfico de Tereza Bettinardi, inspirado na arquitetura de túmulos e cemitérios, uma vez que Brás Cubas se define não como um autor defunto, mas “um defunto autor”. As inscrições e ornamentos tumulares da época da publicação do romance serviram de diretriz estética para o projeto e para as gravuras de Heloisa Etelvina, feitas em linóleo e impressas manualmente.

    A CARAMBAIA está lançando o livro em duas edições. Ambas são ilustradas, têm capa dura e vêm envoltas em uma cinta. A edição especial sai com tiragem de apenas 100 exemplares, capa revestida em tecido e acabamento em serigrafia, e é acompanhada de quatro gravuras impressas em tipografia manual. Três delas são obras exclusivas de Heloisa Etelvina e a quarta reproduz a célebre dedicatória do romance machadiano: “Ao verme que primeiro roeu as frias carnes do meu cadáver dedico como saudosa lembrança estas Memórias póstumas”.

    Em seu posfácio, Milton Hatoum revisita a inesgotável riqueza dessa obra que Machado publicou – de início em forma de folhetim na imprensa – com pouco mais de 40 anos de idade e que, vista em retrospecto, irradia influência por toda a história da literatura brasileira. Como é praticamente consensual entre os historiadores e críticos, em Memórias póstumas de Brás Cubas se encontra a pedra inaugural do romance realista no Brasil. Para alguns especialistas, seria também a primeira narrativa fantástica da literatura nacional. E não há como negar, além disso, os vestígios de romantismo da obra anterior de Machado e principalmente as antecipações do modernismo em sua estrutura fragmentária, ao mesmo tempo calculada e heterogênea, onde cabe até um capítulo feito apenas de nomes e sinais de pontuação. A ruptura da linearidade temporal é operada por um narrador irreverente que lança mão de todo tipo de recurso: citações, jogos de palavras, associações de ideias, diálogos consigo mesmo e diretamente com o leitor.

    Essa estrutura dinâmica e impregnada de humor, escrita “com a pena da galhofa e a tinta da melancolia”, serve com perfeição a um implacável retrato da elite brasileira escravista do Segundo Império, da qual Brás Cubas é um genuíno representante em seus esforços para viver de renda, herança e um mandato na política e, ao fim da vida, concluir satisfeito que “não pagou o pão com o suor do rosto”. Em torno das aventuras do narrador arrogante e mordaz, que incluem casos amorosos fugazes e mais ou menos descompromissados, orbitam personagens de classe média baixa, figurões do Império, escravos cativos e alforriados e um mendigo filósofo, Quincas Borba, que nos apresenta um pastiche de ideias de seu tempo e serve a Machado para zombar ceticamente do cientificismo de sua época.

    Escrito com rara concisão e ressonância universal, Memórias póstumas vem sendo, com atraso, incluído em listas internacionais das grandes obras literárias de todos os tempos. Para a ensaísta norte-americana Susan Sontag, é “um dos livros mais divertidamente não provincianos já escritos” e Machado é o “maior autor já produzido na América Latina”. O crítico Harold Bloom considera-o “o supremo artista literário negro”. E Woody Allen coloca o romance entre seus favoritos.
    *
    Com Memórias póstumas de Brás Cubas, a CARAMBAIA relança a edição de outra obra-prima de Machado, Dom Casmurro, que estava esgotada. Agora, o livro sai na coleção Acervo, a preços mais acessíveis e novo formato. Diferentemente dos livros do catálogo tradicional da CARAMBAIA, que saem com apenas 1.000 cópias, todas numeradas a mão, os títulos da coleção Acervo têm tiragens iniciais de 3.000 exemplares cada.

    Posfácio: Milton Hatoum
    Projeto gráfico: Tereza Bettinardi
    Autor1ASSIS, MACHADO DE

    Especificação

    ISBN9788569002420
    TítuloMemórias póstumas de Brás Cubas
    EditoraCARAMBAIA
    Formato12X18,5 cm
    Espessura2 cm
    Páginas368
    IdiomaPortuguês
    AssuntoLITERATURA BRASILEIRA
    Edição1ª Edição
    Ano de Publicação2018

    QUEM VIU, VIU TAMBÉM

    Veja os livros que os outros também se interessam!

    Quem viu, viu também

    QUEM COMPROU, COMPROU TAMBÉM

    Veja os livros que os outros também se interessam!

    Quem comprou, comprou também

    MAIS VENDIDOS

    Veja os livros mais vendidos desta categoria!

      CONTINUECOM A GENTE!
      Assine nossa newsletter e fique por dentro das novidades da Livraria Unesp!